sábado, 22 de setembro de 2012

A Igreja evangélica e o direito a liberdade e ao voto, conforme assegura a constituição Federal

As igrejas, aos evangélicos de modo geral e àqueles pastores que estão tentando conduzir o voto de seus rebanhos ao transformar o púlpito num famigerado palanque, saibam que vocês estão agindo contrariamente a lei, desonrando o compromisso ético que afirmam diante do rebanho de Cristo Jesus. 





A lei n° 9.504 de 30 de setembro de 1997 disciplina as normas para aqueles que irão participar de uma eleição. O parágrafo 4°, do artigo 37 da mesma lei afirma que:

 "...é vedada a veiculação de propaganda de qualquer natureza (...) em bens de uso comum (...) ainda que de propriedade privada. 

Saibam que aqueles que percorrem de igreja a igreja, tentando dissimular o rebanho de Cristo, fazendo inclusive ameaças de que o rebanho é obrigado a acompanhar o voto de candidatos que são indicação de ministério "A", "B" ou "C", estão transgredindo as leis de nossa nação, e portanto não tem moral, para condenar qualquer cristão de suas igrejas por não seguirem a orientação de suas lideranças quanto ao voto.

Mesmo que os tais aclamem ao seu favor, o dever de todo cristão se sujeitar a autoridade (rebanho aos pastores), isso é invencionice e falácia exegética, em outras palavras falsa interpretação.

Não é este o objetivo de nos submetermos aos nossos pastores, o real objetivo é para servirmos a Cristo e obedecermos a sua palavra em amor.

Quanto ao voto, o sufrágio universal, previsto na Constituição Federal do Brasil, promulgada no ano de 1988, e em vigor até a presente data, reserva este direito, de todo cidadão, que estiver apto a votar, de exercer esse direito com liberdade de consciência e expressão, não por manipulação ou por opressão de sua consciência.

Vote como cristão, consciente, consciente inclusive de que não é obrigado a votar em alguém por que é cristão, nem ainda porque é o indicado de pessoas que querem conjugar por trás de tais indicações os mais individuais e egoísta de todos os interesses.

Bom voto a todos!

Tudo posso naquele que me fortalece (Fp. 4:13).

"Tudo posso naquele que me fortalece", ao contrário da tônica triunfalista empregada por diversos setores evangélicos, representa na verdade uma das maiores expressões de contentamento do Apóstolo Paulo.
Antes de Paulo ancorar esta expressão em sua carta, ele afirma ter aprendido o sofrimento, e tal expressão "posso todas as coisas", significa um contínuo aprendizado que o apóstolo alcançou contido de uma capacidade de suportar o sofrimento, tudo isto pela graça do Senhor Jesus Cristo em sua vida.
Talvez tenhamos que aprender a nos contentar um pouco mais com o que temos no mundo em que vivemos, relendo palavras como estas do apóstolo Paulo.

Alexandre da Silva Chaves

Alexandre da Silva Chaves